Noticias

Chamado de pedofilia virtual, círculos pedófilos aumentou no Brasil durante a quarentena.

Chamado de pedofilia virtual, círculos pedófilos aumentou no Brasil durante a quarentena. “A omissão faz de você um cúmplice”, declara Marisa Lobo

Como se não bastassem as dificuldades causadas pela covid-19, outros problemas tem gerado preocupação. Além do aumento de 30% dos casos de violência doméstica desde o início da quarentena no Brasil, cresceu também os casos de pedofilia na internet. Que são chamados de círculos pedófilos.

Os círculos pedófilos, ou grupos de ativismo pedófilo são redes em que criminosos compartilham opiniões, expressam seus desejos, suas fantasias, trocam conselhos e fazem apologia a crimes de forma livre. Os integrantes não precisam se identificar, podendo assumir uma identidade fictícia, conhecida como nicknames.

Círculos pedólifos

Imagens de crianças e adolescentes, informações confidenciais e relatos são compartilhados para download nestes espaços através do termo “pack”. Por isso, é muito importante que pais e responsáveis tenham cuidado redobrado com a publicação de fotos e vídeos dos filhos. Mesmo que uma busca na internet pela imagem do menor não seja encontrada, ela pode estar em fóruns ocultos.

A chamada deepweb ou dark web reúne grande parte dos fóruns de criminosos, porque não exige uma conexão de rede de computadores, como os sites WWW. Com isso, o rastreamento de seus integrantes é mais difícil, o que atrai os pedófilos. No entanto, é importante ressaltar que delegacias especializadas no combate a estes crimes sabem exatamente os passos que os criminosos costumam dar.

Exploração sexual

A psicopedagoga Sara Oliveira atua no combate à exploração infantil, como gerente na ONG Plan International Brasil, que visa o bem estar social de menores. Ela falou sobre um dos maiores problemas, que é a exploração sexual.

“Há uma linha tênue entre a exploração e o abuso. Muitas vezes, as pessoas pensam que há um lucro financeiro com a exploração sexual. Mas a troca pode ser por uma bala, uma boneca, um pacote de biscoito. A diferença do abuso para a exploração sexual é essa moeda de troca que nem sempre é o dinheiro. Precisamos desmistificar isso em relação à exploração sexual”, declarou ao portal.

Alerta aos pais

O alerta também cresce em outros países. A diretora da Europol, Catherine De Bolle, falou sobre o problema em audiência na União Europeia. “O mais preocupante é o aumento da atividade online de quem busca material sobre abuso sexual infantil”, apontou.

A psicóloga cristã, Marisa Lobo dá dicas para evitar ataques de pedófilos contra crianças na internet. Não é proibir totalmente o uso do celular ou computador, mas os pais precisam monitorar e saber o que os filhos estão acessando e vendo.

“Retarde o acesso às redes sociais, seus filhos e filhas tem idade para estarem sozinhos por horas nas redes sociais, sendo expostos a todo tipo de perigo. Monitore os ambientes da internet, coloque senha em todos os aplicativos que seus filhos tem acesso”, alerta.

Marisa acrescenta: “Coloque programas espiões no computador e celulares de seus filhos adolescentes e crianças, dane-se se acham opressor, é a vida de seus filhos que está em jogo”.

 

Fonte: Revista Comunhão


Por: ADLINHARES


Evento 1

Culto da Virada

detalhes