Noticias

Médico relata desafio de tratar pacientes com Covid-19: `Nos sustentamos através da oração´

O Dr. K. Elliott Tenpenny liderou o hospital de campanha da Samaritan´s Purse em Nova York e relatou a impactante experiência

Fonte: Guia-me / com informações Christian Post / Foto: Samaritan´s Purse | 12/05/2020 – 15:15
Médico relata desafio de tratar pacientes com Covid-19: `Nos sustentamos através da oração´

Enquanto o debate sobre a reabertura da economia após o coronavírus continua a dividir opiniões em diversos países, o Dr. K. Elliott Tenpenny, médico que liderou o hospital de campanha da organização missionária Samaritan’s Purse, recentemente fechado no Central Park, pediu aos cristãos que permaneçam em oração.

“Há muitas decisões difíceis pela frente a serem tomadas pelos nossos líderes, decisões difíceis para os estados quando precisam reabrir e as pessoas precisam voltar ao trabalho, voltar às empresas e isso deve acontecer eventualmente. (…) Meu maior incentivo à comunidade cristã seria orar para que nossos líderes tomassem decisões sábias”, disse Tenpenny ao The Christian Post.

As tendas do hospital de campanha que funcionou por mais de um mês no Central Park foram desmontadas na última segunda-feira.

“Não existe um lado para esse argumento ou esse desejo do que será feito com esse vírus. O mundo precisa se abrir novamente, mas também temos que proteger os mais vulneráveis de nossos cidadãos e nosso povo. Como cristãos, estamos na brecha e podemos preenchê-la com oração. Podemos orar por nossa liderança, local e nacionalmente, para que as decisões corretas sejam tomadas e que as pessoas levem isso muito a sério”, disse ele.

Os casos mundiais de coronavírus aumentaram para mais de 4 milhões no início desta semana, com casos nos Estados Unidos superando 1,3 milhão. As mortes pelo vírus totalizaram mais de 279.700 em todo o mundo, incluindo mais de 80.000 nos EUA, de acordo com dados coletados pela Universidade Johns Hopkins.

Médicos e outras equipes médicas da organização missionária Samaritan’s Purse, liderada pelo evangelista Franklin Graham, trataram 333 pacientes de coronavírus durante sua missão de um mês na cidade de Nova York, como parte do sistema do hospital Mount Sinai, e 190 deles foram tratados no hospital de campanha.

Fé e esperança em meio ao caos

Embora ele não tenha conseguido compartilhar dados brutos sobre o número de pacientes que morreram sob seus cuidados, Tenpenny disse que a taxa de mortalidade era quase igual à que o Sistema de Saúde Mount Sinai viu em geral para pacientes com coronavírus. E um estudo de cientistas da Sema4, uma empresa de inteligência em saúde centrada no paciente, disse que era de 22,6%.

“Foi difícil, honestamente. Foi difícil. Recebemos muitos pacientes no início do curso da doença. E isso significa que muitos deles melhoraram e alguns não, e pioraram progressivamente ”, disse Tenpenny.

“Conhecemos esses pacientes antes que eles ficassem tão ruins; eu tinha falado com eles, chegado a conhecê-los e então alguns deles pioravam progressivamente. Portanto, não era apenas um paciente com os nomes X, Y e Z. Eram pacientes que eu realmente conhecia e com quem me importava, e sabia o nome deles e conversava com eles sobre a família e isso tornava a situação ainda mais difícil”, acrescentou.

Um dos desafios para sua equipe que trata os pacientes de coronavírus, disse ele, foi ter que lidar com a maneira como o vírus devastou aqueles que não sobreviveram, que eram na maioria adultos mais velhos.

“Esta doença é terrível. Ela realmente arrasa as pessoas e o faz de uma maneira muito repentina. Assim, alguém pode ficar bem por um dia ou dois e, de repente, pior muito rápido. Eles podem ficar com falta de ar ou, como o hospital Mount Sinai descobriu mais tarde, podem começar a ter coágulos sanguíneos que se acumulam rapidamente nos pulmões”, explicou.

“Tivemos casos assim que tivemos que tratar, mas conhecemos esses pacientes. Nós os conhecíamos. Nós cuidamos deles. Então, quando eles começaram a piorar, isso afetou muito a equipe”, contou.

Durante esses tempos difíceis, disse Tenpenny, a equipe orava e se apoiava e começou a tocar uma campainha toda vez que um paciente recebia alta com sucesso como símbolo de esperança.

“Nós nos sustentamos através da oração. Nós nos sustentamos apoiando um ao outro e nos sustentamos apenas com a esperança de cada um desses pacientes ir embora. Portanto, essa é uma das razões pelas quais começamos a ter uma ‘cerimônia’: tocar uma campainha sempre que um paciente recebe alta”, disse ele. “Os pacientes ficaram empolgados em voltar para casa, mas uma das principais razões foi o incentivo à comunidade à nossa volta, mas também à nossa própria equipe, de que há esperança. As pessoas melhoram. Eles estão indo para casa, estão sobrevivendo”.

Milagres

E entre os sobreviventes estão as histórias das curas “milagrosas”.

“Vimos muitas coisas realmente milagrosas acontecerem com os pacientes melhorando quando parecia não haver mais chance”, disse Tenpenny. “E foi realmente incrível ver tudo isso”.

Ele elogiou muito a cidade de Nova York, que, segundo ele, o impressionou com a “coragem” deles.

“Eu realmente acho que a maior coisa que nos impressionou na cidade em geral foi apenas a natureza acolhedora. Falando pessoalmente aqui, eu vi muito do tipo de coragem e capacidade da cidade de se reunir e ajudar todos os que aconteceram durante esse tempo”, disse ele.

“Ouvi muita gente dizer que a última vez que houve um evento que ameaçou a cidade tanto quanto em 11 de setembro. E estou vendo o mesmo espírito surgir para ajudar os nova-iorquinos, para colocar Nova York de pé e essa foi a atitude constante que foi compartilhada conosco”, observou ele.

Enquanto Tenpenny e sua equipe encerram seus trabalhos na cidade de Nova York, ele disse que a maior lição que ele aprendeu é que “todo mundo tem necessidades”.

“A maior lição que aprendi é que não importa quem somos em qualquer lugar do mundo, todos têm necessidades e que Deus nos permite, às vezes, ministrar às pessoas – no Congo com Ebola e Iraque com experiências de guerra e também aqui na cidade de Nova York, uma das cidades mais modernas do mundo”, disse ele. “Nenhum de nós está acima de nossa necessidade da presença de Deus e de Sua mão curadora”.


Por: ADLINHARES


Evento 1

Culto da Virada

detalhes