Noticias

Estamos dispostos a arriscar nossas vidas pelo Evangelho, dizem pastores da China

Crescente repressão ao cristianismo na China tem resultado até mesmo na execução de pastores e membros de igrejas locais

Fonte: Guia-me / com informações do Christian Post – Foto: ABC News | 24/09/2018 – 16:00
Diante de uma intensa repressão comunista em andamento, os pastores da China prometeram em uma carta aberta continuar pregando o Evangelho, mesmo que isso lhes custe a vida.

Aaron Ma, representante do Ministério de Portas Abertas na China, falou ao site Christian Post em um e-mail na última quinta-feira  (20), comentando o recente vídeo no qual Bíblias foram queimadas no país.

“Neste caso, as autoridades confiscaram pertences das igrejas (incluindo Bíblias) e queimou todas”, disse Ma.

Imagens registraram autoridades do Partido Comunista queimando Bíblias e cruzes em Henan. O vídeo foi compartilhado nas redes sociais no início deste mês por defensores de direitos humanos, incluindo o presidente da ChinaAid, Bob Fu, cujo grupo monitora a perseguição de cristãos na China.

A preocupação também aumentou com os casos em que as autoridades estaduais têm forçado alguns cristãos a assinar documentos negando sua fé e declarando apoio incondicional ao comunismo.

Ma retransmitiu informações de pastores chineses locais, que revelaram que as pessoas pressionadas a assinar tais documentos são estudantes do ensino médio.

“Eles são ameaçados e forçados a não admitirem sua fé cristã para de 0evitar problemas. Sua fé cristã está sendo desafiada e testada”, explicou o representante da Portas Abertas.

Desafios do discipulado

Quanto ao peso que tais papéis de renúncia carregam, e se os crentes que os assinam são de fato considerados como tendo deixado o cristianismo, ele disse: “Se eles deixariam ou não a fé cristã dependeria de como seus pastores e irmãos e irmãs nas igrejas os guiam e encorajam a reconstruir sua fé”, explicou o pastor.

Ma disse que os novos regulamentos do Partido Comunista levaram a mais casos de fechamento de igrejas, confisco de propriedade das igrejas e a crescente ameaça de proprietários de terra se recusarem a alugar imóveis para reuniões da igreja.

“Juntamente com a aplicação da revisão do regulamento religioso em fevereiro de 2018 e a crescente pressão de banir as reuniões da igreja em locais religiosos não registrados, mais e mais igrejas locais estão se preparando para dividir em pequenos grupos para as cultos (dependendo da região, de 200 a menos de 100 a 100, de 100 a 30, de 30 a 10), ou até mesmo de voltar às reuniões domésticas”, acrescentou.

Ma explicou que, de um modo geral, os cristãos chineses, com exceção dos funcionários públicos, podem professar sua fé abertamente, mas notaram que isso depende da região e do quanto as restrições religiosas são impostas.

Mantendo a fé em segredo

Ma disse que os cristãos chineses têm “tipos diferentes de medo”.

“Por exemplo, os pastores podem temer que suas ovelhas não sejam capazes de permanecerem fortes sob esta onda de perseguição”, continuou ele. “Jovens Cristãos e seus pais sob a ameaça de serem forçados a renunciar à fé com a assinatura no papel provavelmente temem pelo seu futuro (antes dessa onda de perseguição, os cristãos jovens enfrentam muitas lutas sob essa sociedade materialista)”.

Recentemente, algumas igrejas muito notáveis, incluindo a denominação Zion — o maior templo protestante em Pequim — foram fechadas e acusadas pelas autoridades de manter “materiais promocionais ilegais”.

A repressão, que durante anos também viu a remoção de cruzes do topo das igrejas, agora parece estar se movendo para o mundo digital. O jornal China Daily publicou um projeto de diretrizes, divulgado em 10 de setembro pela Administração Estatal de Assuntos Religiosos, que deve ser o primeiro regulamento do país sobre serviços de mensagens religiosas.

O documento, que afirma que “é preciso suprimir extremistas e combater atividades criminosas”, colocaria regulamentos sobre doutrinas religiosas, conhecimento e outras atividades espalhadas online.

Tenzin Dorjee, presidente da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA, disse separadamente ao Christian Post em um email que sob o “punho cerrado” do presidente Xi, o governo está alvejando crentes religiosos, incluindo cristãos, como nunca antes.

Ele apontou vários casos de oficiais comunistas condenando membros de grupos de igrejas não registrados à prisão e acusando-os de pertencerem a “cultos do mal”. Ele também criticou a demolição em curso de edifícios da igreja, como a Igreja Golden Lampstand na província de Shanxi.

“No momento em que a fé floresce na China, Pequim está reprimindo os fiéis religiosos, aprovando apenas indivíduos e grupos que concordam com uma versão rígida e socialista da religião rigidamente controlada pelo governo ateísta”, disse Dorjee.

Resistência

Enquanto isso, uma carta sem precedentes assinada por quase 350 líderes de igrejas chinesas que arriscaram suas liberdades e suas vidas foi liberada para o público.

A Declaração em nome da Fé Cristã, como a carta é chamada, condenou a perseguição religiosa na China e insistiu que os cristãos continuem ensinando a Bíblia, independentemente do que eles possam enfrentar.

“Declaramos que em questões de conduta externa, as igrejas estão dispostas a aceitar a supervisão legal pela administração civil ou outros departamentos do governo, como fazem outras organizações sociais”, afirmou a declaração.

“Mas sob nenhuma circunstância levaremos nossas igrejas a se unirem a uma organização religiosa controlada pelo governo, a se registrar no departamento de administração religiosa ou a aceitar qualquer tipo de afiliação”, continuou. “Nós também não aceitaremos nenhuma ‘proibição’ ou ‘multa’ imposta às nossas igrejas devido à nossa fé. Por causa do Evangelho, estamos preparados para suportar todas as perdas — até mesmo a perda de nossa liberdade e de nossas vidas”.


Por: ADLINHARES


Evento 1

Campanha: Os passos para a vitória em tempos de crise

detalhes